sábado, 9 de julho de 2011

Eletromiografia de Agulha

A eletromiografia de agulha estuda o estado fisiopatológico das fibras musculares estriadas através da introdução de um eletrodo de agulha dentro do músculo. Corresponde à segunda parte do estudo eletrodiagnóstico.
Geralmente é realizada após o estudo da condução nervosa, pois desta maneira o examinador pode planejar o estudo de agulha mais adequadamente, baseado nos resultados do estudo da condução nervosa.

Dois diferentes tipos de agulha podem ser utilizados para o estudo: agulha concêntrica e agulha monopolar. Em nosso laboratório nós preferimos usar a agulha monopolar, pelos seguintes motivos:
● É menos dolorosa e, conseqüentemente, melhor tolerada pelos pacientes.
● Apresenta um som mais agudo por ser menos estável eletricamente.
● Possui uma área de registro maior devido à maior superfície de registro e maior distância entre o eletrodo ativo e o eletrodo de referência.

Estas características permitem às agulhas monopolares serem mais sensíveis na detecção de atividade espontânea anormal, como fibrilações e ondas agudas positivas. Adicionalmente, as agulhas monopolares captam potenciais de unidade motora de maior amplitude e duração que as agulhas concêntricas. Outro aspecto que deve ser comentado é que devido ao risco de transmissão de agentes infecciosos, recomenda-se o uso de agulhas descartáveis em todos os pacientes. Devido ao menor custo, as agulhas monopolares representam também uma boa alternativa econômica.

A maior desvantagem das agulhas monopolares é que elas requerem o uso de um eletrodo de referência de superfície no mesmo músculo que está sendo estudado pela agulha monopolar. Nas agulhas concêntricas, o eletrodo de referência fica na ponta da própria agulha, dispensando o uso de um eletrodo de superfície de referência.

Em algumas situações, entretanto, nós usamos agulhas concêntricas. A indicação mais comum é no estudo quantitativo da unidade motora (EMG quantitativa), pois os valores normais de referência foram obtidos com agulha concêntrica.

A EMG de agulha consiste basicamente em quatro fases:
● Estudo da atividade insercional e pesquisa de atividade espontânea com o músculo em repouso.
● Estudo da configuração do potencial de ação de unidade motora (PAUM) em contração voluntária mínima.
● Estudo do recrutamento dos PAUM’s em contração voluntária moderada.
● Estudo do padrão do interferência em contração voluntária máxima.

Os parâmetros de sensibilidade, velocidade de traçado e filtros de baixa e alta freqüência são diferentes para cada fase do teste. Portanto, eles devem ser adequadamente modificados de acordo com a fase do estudo. Abaixo mostramos os parâmetros utilizados em nosso laboratório utilizando agulha monopolar para o estudo de agulha:

• Estudo da atividade insercional e pesquisa da atividade espontânea:
- Velocidade de traçado: 10 ms/divisão
- Sensibilidade: 100 uV
- Filtro de alta freqüência: 10 KHz
- Filtro de baixa freqüência: 20 Hz

• Estudo dos potencias de unidade motora com contração voluntária mínima e análise do padrão de recrutamento com contração moderada:

- Velocidade de traçado: 10 ms/divisão
- Sensibilidade: 500 a 1000 uV
- Filtro de alta freqüência: 10 KHz
- Filtro de baixa freqüência: 20 Hz

• Estudo do padrão de interferência com contração voluntária máxima:

- Velocidade de traçado: 100 ms/divisão
- Sensibilidade: 500 a 1000 uV
- Filtro de alta freqüência: 10 KHz
- Filtro de baixa freqüência: 20 Hz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário